terça-feira, 22 de julho de 2008

MOMENTOS

Vejo no momento a razão de encontrar o que num momento de razão se perdeu. Viro a vida vezes e vezes sem conta como se um relógio de areia se tratasse, o tempo passa, a areia cai, mas eu continuo no momento em que a vida me deixa estar. Um momento que posso viver e que apenas o posso viver no momento, pois é demasiado curto para o deixar prosseguir. Momentos mil trazem a meus lábios expressões de um sorriso momentâneo, momentos atrás de uma lágrima que escorreu sobre meu rosto. Vivo momentos de saudade... sim essa palavra que não se traduz, pois apenas nós sabemos vivê-la nos momentos em que a vida nos transporta. Momentaneamente paro, para descobrir que no momento em que estou a escrever passou toda a areia pelo estreito do relógio e que uma vez mais o vou virar, para este momento jamais acabar.

Sem comentários: