segunda-feira, 28 de julho de 2008

PARAÍSO

Todos nós temos nossos cantos, nossos pequenos esconderijos onde nos refugiamos quando não pretendemos que o mundo nos veja. A esses espaços chamo paraísos. Vivemos lá dentro como se fossemos invísiveis e facilitam-nos a tarefa de enfrentar os problemas que "lá fora" navegam. Lá não existem "senãos" nem "porquês", lá apenas existe a certeza da serenidade. É fácil diambular por esses paraísos, pois somos nós que os criamos e lhes atribuímos as fronteiras que pretendemos. Somos anjos num céu apenas nosso, gato escondido numa esquina... com o rabo de fora. No paraíso ninguém nos incomoda, pois ninguém lá pode entrar, apenas nós guardamos a chave, apenas nós sabemos onde é a entrada. E no tapete, à porta, limpam-se os pés dos problemas... não que eles deixem de existir... apenas não têm espaço dentro no nosso paraíso. Fechamos os olhos e é como se nada existisse. O mundo parou, o relógio vai deixando de se ouvir vertiginosamente até parar... é o silêncio absoluto. Por entre os cantos espreita-se para ver se alguém lá fora nos observa. Mas como seria isso possível? Ninguém sabe onde estamos. Estamos num espaço muito nosso, alguns dizem que é a nossa concha, como se fossemos o mais belo dos crustáceos, outros que é a nossa toca como se fossemos um coelho assustado. Mas talvez todos tenham um pouco de razão... cada um dará seu nome... eu a este canto apenas lhe chamo paraíso.

Sem comentários: