quarta-feira, 27 de agosto de 2008

BEIJO

Tirar do beijo aquilo que ele de melhor tem, é como esvaziar um balão e soltá-lo da mão. Ele andará perdido até acabar por cair... vazio. Sentir o seu sabor, viver o seu sentir, imaginar o que vive para lá de meus olhos fechados é todo um mundo que não se pode deixar cair. Transportar o que sentimos e partilharmos num simples toque de cumplicidade, faz de um simples gesto um grande momento. Pequeno na altura, grande no tempo. O beijo vive. Quem não se lembra do seu primeiro beijo? E quem esquecerá o último? Todos eles vivem, dentro de nós. E que gesto tão simples, pode marcar tantos momentos. O beijo no rosto em sinal de amizade ou cumplicidade. O beijo na testa em sinal de respeito. O beijo na mão em sinal de cavalheirismo... e os outros todos em tantos outros sítios que nos fazem percorrer aventuras, desventuras... amor e paixão, encontramos-nos no tempo e perdermo-nos para lá da ilusão.

1 comentário:

... os meus monstrinhos! ihihih disse...

no word for this words!

at the same time i listen myself reading, my mouth, my skin remembered all the kisses i had, i gave...

Thanks

ib