sexta-feira, 19 de setembro de 2008

BELO

Belo o tempo que estou em teus braços
Belo o tempo que passa e não me largas
Belo o olhar que me dás e que eu te devolvo
Belo o mistério que nos envolve no momento
Construímos a verdade que nos circunda
Criamos o espaço que nos envolve e nos inunda
Navegamos na energia de nossas mãos
Perdemo-nos nos sinuosos caminhos de nossos corpos
Bebemos do tempo e deixamos que ele beba de nós
Damos luz aos segundos que viram páginas de história
Saltamos os silêncios para darmos minutos à voz
Trocamos segredos, vivemos enredos
Existimos um para o outro em cada fechar de olhos que damos
Vivemos o desejo de nos perder e de nos encontramos
De construir o que nunca evitámos
Zangas, chatices, discussões… quem as não têm?
Mas importante e mais que tudo
É amar-te como nunca amei ninguém.

Sem comentários: