quinta-feira, 11 de setembro de 2008

VENTO

Hoje lá fora o ar corre que nem louco, leva tudo pela frente. Parece que foge do vácuo. Empurra-nos como que querendo que siguemos com ele. Para onde? Só ele o saberá. Tudo esvoaça, como que dançando às mãos do ar que nos rodeia. Na esquina ouço-o assobiar. Será que me chama?... ou estará apenas a entoar uma desordenada melodia. Tudo se move ao seu passar, nada consegue ficar indeferente a tal inquietude. Perguntei a um estranho que ia a passar, o que era todo aquele desassossego que o ar trazia hoje com ele. Ele como que tentando se afastar de tudo que voava em sua volta, gritou-me "É o VENTO que hoje parece que vem nas asas do diabo!" O diabo esse não o vi e se ele passou já tinha sido levado pelo ar que agarrava tudo e todos. Recolhi-me então e observei pela janela toda aquela desarmonia organizada, onde parecia que o vento assobiava para tudo o resto dançar no ar.

Sem comentários: