sexta-feira, 31 de outubro de 2008

FOSTE, ÉS e SERÁS

Foste, és e serás, aquele que nunca nos deixou. És a estrela que percorre o céu. Aquele a quem confidencio os meus segredos. Quem amei e continuo a amar. Aquele que se ausentou mas que nunca deixou de nos olhar. Do longe que a vida nos colocou faço perto, com meu desejo e minhas palavras. Fecho meus olhos e estás perto de mim ouvindo-me quando estou só. Estás lá quando a sorte não nos sorri e és o primeiro a sorrir quando a vida é nossa. És o cofre de meus sorrisos, a mão que ampara minhas lágrimas, que toca o vento para soprar a nosso favor. Foste, és e serás sempre o nosso pai.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

VERBO AMAR

Criei em mim a eterna razão do ser,
De existir e acreditar,
De poder reflectir e pensar.
Nado em minhas emoções,
Não me escondo do que quero.
Afogo-me por inúmeras convicções,
Calmo no tempo sereno.
Amo convicto por acreditar,
Que em mim existe e não morreu, o verbo amar.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

A NOSSA CASA

"A nossa casa, Amor, a nossa casa!
Onde está ela, Amor, que não a vejo?
Na minha doida fantasia em brasa
Costrói-a, num instante, o meu desejo!

Onde está ela, Amor, a nossa casa,
O bem que neste mundo mais invejo?
O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa?

Sonho... que eu e tu, dois pobrezinhos,
Andamos de mãos dadas, nos caminhos
Duma terra de rosas, num jardim,

Num país de ilusão que nunca vi...
E que eu moro - tão bom! - dentro de ti
E tu, ó meu Amor, dentro de mim..."
Florbela Espanca

terça-feira, 28 de outubro de 2008

TER-TE NAS PALAVRAS

Olhei a lua com desdém pois sabia que nela não mora ninguém,
Olhei o céu com tristeza pois sabia que não moras lá de certeza,
Olhei o rio com esperança pois quem acredita sempre alcança,
Olhei para ti com a saudade de quem não esquece e ama de verdade.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

CHUVA

Tarde escuras que agora se fazem sentir. Escondem pequenas gotas de água que se libertam ao sopro da fina brisa que gela o mais belo dos sorrisos. A Ísis cola-se ao vidro como que a ouvir o cair das finas gotas e olha para mim com seus olhos dourados. Não percebe o porque do seu dia se deitar mais cedo. Suspira o vento de tamanho evento que de sorriso apenas nos trás aquele que vive contigo. Saudades de tenros tempos, onde a preocupação não me ocupava espaço e onde correr debaixo de tamanha manta de água me arrancava sorrisos. Poça atrás de poça, gota atrás de gota, fazia-me percorrer tamanha imensidão. O chão era infinito e a chuva, fiel companheira. Admito que todos os castigos e tudo o que ouvia de minha mãe e de meu pai por aquele momento, valiam a pena pela sensação de liberdade que me acompanhava e me fazia viver. Naquela altura não se pensa no hoje... no amanhã. Pensa-se apenas no minuto em que eu me dou... em que tu te dás.

domingo, 26 de outubro de 2008

TEU LINDO OLHAR

Olha em meus olhos e beija-me,
Agarra minhas mãos e deixa-me,
Dá-me teu espaço e aproxima-me.
Entrego minha vida e meu coração,
No vazio que havemos de conquistar.
Caminho seguro que não me perderei,
Entre tumultuosos caminhos que piso,
Entre olhares distintos que ofereço.
Troco o meu respirar por um minuto da tua vida,
Troco um minuto da minha vida por teu lindo olhar.

REFLEXÃO

Dá-me mais daquilo que só tu tens, procura mais dentro de ti daquilo que só tu sabes e reinventa o tempo para que reflicta em nós o melhor de mim e de ti.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

ETERNA CANÇÃO

Fiz de meus olhos o espelho do meu coração, da minha vida a eterna canção, do meu espaço o canto que me toma e refugia, e com minha mão recebo a calma balada que me inunda e na acalmia da noite me abraça, para olhar para o futuro com o sorriso que vivo.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

BOM PORTO

Fazer de todo o meu amor uma ilusão e abrir dele a mão, seria como navegar em turvas águas durante dias e jamais acreditar que me encontrarias.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

FRIO

Frio sentimento o que vem por debaixo daquela porta que de entreaberta quase que trás certa a decisão de não continuar. Frio sopro que se refugia em minhas costas e me faz curvar para trás, de tantos arrepios me provocar. Frio chão o que piso e me gela o interior de meu corpo e o meu caminhar. Frio olhar o que gela o silêncio que me rodeia. Frio céu e todas as gotas que dele caem sobre meus ombros. Frio abraço aquele que não sinto e por agora fecho meus olhos, para te imaginar um pouco, calor.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

LOVE AND DEATH

"Amar é sofrer. Para evitar sofrer, não devemos amar; mas sofremos por não amarmos. Logo, amar é sofrer, não amar é sofrer, sofrer é sofrer. Ser feliz é amar, logo ser feliz é sofrer, mas o sofrimento torna-nos infelizes; então para se ser infeliz temos de amar ou amar para sofrer ou sofrer de demasiada felicidade. Espero que estejas a escrever isto"

Love and Death

domingo, 19 de outubro de 2008

PENSEI NO SONHO

Parado sobre a balada que entoam as ondas do mar, pensei nos sonhos que todos nós vivemos. Na mão cheia de oportunidades que voam sobre nós. Naquilo que acreditamos, que pretendemos, que vemos e que conseguimos. Sonhos que aparecem e desaparecem como que em tom de magia. Que nos abraçam quando dormimos e que nos preenchem a mente quando vivemos. Sonhos imensos de mil nomes e mil rostos. Mas qual o mais importante?! Talvez o amor. Aquele que nos acompanha quando estamos sós, a que nos entregamos quando não vemos outro igual, o que está lá quando tudo falha, que não esquece quando tudo parece longe demais. Que me vê e que eu olho, que alimenta a chama que vive em nós. Penso em ti que em mim vives e nos silêncios que partilhámos para de um sonho termos feito vida. Em ti, sonho, pensei, enquanto descansava sobre a calma melodia das ondas e um pôr-do-sol de cor intenso, espelhando sua vida por todo aquele mar imenso.

sábado, 18 de outubro de 2008

FLOR

Podia retratar a noite como se ela fosse um jardim, plantada de estrelas num campo imenso, mas infelizmente escura e fria virou-me as costas. Apenas a lua me a ilumina e todo o seu esplendor jamais conseguirei descrevê-lo como a beleza de uma flor.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

CRESCER

Cedo tive de crescer e acordar para uma realidade que não era a minha. Nem sempre temos o que pedimos e por vezes o que não queremos vêm quando nós jamais sonharíamos que podia acontecer. Andei sempre à frente da minha vida. Percorri caminhos que ainda não tinham sido feitos para mim, naveguei em profundas águas antes sequer de saber nadar. Vi a vida muito antes de ter aberto meus olhos e acordei do pesadelo muito antes de me ter deitado. Lutei por aquilo que não tinha e procurei por vezes o que não queria. Mas a lei da vida nem sempre nos coloca no prato da balança correcto. Consegui o que jamais pensei e perdi o que sempre quis. Deixo agora minha alma apanhar meu corpo e a razão acompanhar o meu coração para poder ser feliz.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

OLHAR

Nos olhos se espelham nossas almas, nossas verdades, nossas mentiras. Correm rios de tristeza quando a vida nos amarga e brilhos de felicidade quando ela nos sorri. Com eles olho o mundo sem medos e o chão sem razão. Vejo o dia a nascer e a noite a deitar-se. Vejo o que tu me dás e tudo o que ainda tenho para te dar. Vejo os teus olhos nos meus e a tua alma na minha.

domingo, 12 de outubro de 2008

DESCONEXÃO

Gestos fossem o que preeche este desconexo espaço
Palavras voassem e iluminassem o céu
Suspiros se ouvissem sussurrar na acalmia da noite
Passos caminhassem sem termo certo
Espaço este que tivesse rumo para caminhar
Sobre um céu iluminado e suspirar
Em teu ouvido o quanto te amo.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

SER

Seremos cegos se não virmos o que vive à nossa frente?
Seremos mudos se não conseguirmos dizer o que sentimos?
Seremos surdos se não ouvirmos o mundo que nos rodeia?
Seremos nós se existirmos para o que a vida nos oferece.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

VIDA EM LIVRO

Nunca saberemos quando a vida nos surpreenderá, vivemos dia atrás dia, no desconhecido. Sabemos que ela nos vai sorrir e também nos irá chorar. Mas o tempo, as horas, os minutos... apenas ela comanda. É como se alguém já tivesse escrito um livro sobre a nossa vida e nós estivessemos a escrever a vida de alguém. Somos palavras em páginas em branco, letras à solta em linhas paralelas, histórias de quem lê o poema da nossa vida.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

SEM PALAVRAS

Sem palavras... acaba a noite que se alonga lá fora mas que se encurta dentro de mim. Beijo teu rosto, beijo teu ombro, deito-me a teu lado, sussuro um amo-te, e abraço-te sem fim.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

"O PIANO"

"À noite penso no meu piano, na sua sepultura no mar. E, às vezes, penso em mim a flutuar por cima dele. Lá em baixo tudo é tão tranquilo e silencioso que me embala. É uma canção de embalar estranha, como deve ser, porque é minha. Existe um silêncio onde nunca nenhum som penetrou. Existe um silêncio onde nunca nenhum som pode penetrar, na fria sepultura sobre o mar profundo"
Filme "O Piano"

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

ACTOR

Se me agarrasse à razão de tudo acontecer de tudo existir, que faria ao outro lado da história que ainda não têm rumo, nem sentido. Poderia eu contá-la? Creio que não. Abranger tudo o que nos rodeia pode ser a solução. Mas aí penso -"E será que eu conseguirei ter força e braços para agarrar tanta coisa?" Não sei também a resposta. Mas posso ponderar, posso dar um rumo quando tudo acontece e dar existência ao que não faz sentido e talvez assim consiga encontrar o peso que faltava na balança. Já não preciso de esticar tanto meus braços. E já não precisarei de ser eu a contar a história. Pois ela irá-me abraçar e fazer de mim actor.

domingo, 5 de outubro de 2008

CORES

Existem cores que inundam o mundo. Que pintam o céu, que iluminam a terra, que escurecem a noite. Preenchem a tela que é a nossa vida. Pintamos cores, sobre cores, sobre cores... conforme a tela se desenrola com o passar do tempo. Temos uma paleta inteira à nossa disposição, sobre a nossa mão. Ao dispor dos nossos desejos. Está no nosso saber colocarmos as cores nos espaços certos. Sermos mais abstractos, mais naturalistas quem sabe mais cubistas... mas o que não devemos pintar é uma vida monocromática. Devemos dar uso às cores, pois elas dispõe-se para nós, assim como o azul para o céu, o verde para os campos, o vermelho para o sangue ou o ouro para o valor que existe dentro de cada um de nós, e por assim ser, valerá sempre dar cor e viver.

ÍSIS

Ísis, a deusa do amor e da mágica, tornou-se a deusa-mãe do Egipto. Ísis sob a forma de serpente se ergue na fronte do rei para destruir os inimigos da Luz, e sob a forma da estrela Sótis anuncia e desencadeia as cheias do Nilo.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

CARTAS PERDIDAS

Cartas minhas as que não têm destino
Que se perdem no espaço, que não tomam rumo
Levam as palavras que para ti escrevi
Com as letras que com minha mão desenhei
Perdem-se com tudo o que senti
Perdem-se com tudo o que pensei
Envio-as ao vento para ele tas levar
Não sei por onde ele anda, nem seu sentido
Mas ouço-o ao fundo perdido a assobiar
Peço-lhe agora que as leve comigo
Cartas minhas que não têm destino
Para perto de ti, para teu porto de abrigo.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

TEU RESPIRAR

Gostava de estar atento ao teu sorriso,
Ao bater do teu coração,
Gostava de ouvir teu sussurrar,
Tuas palavras em melodia.
Sentir o que vem para mim,
Tocarmos nossos rostos em harmonia,
Sentir-te em minha mão,
Gostava de falar o que tenho guardado,
De ver teus olhos brilhar,
Sentir teu corpo suado.
Gostava de estar atento ao teu olhar
E no final apenas sentir teu respirar.