quinta-feira, 27 de novembro de 2008

DESPIDO

Sem me importar com os factos que me despem,
Despojo-me de pudores e outros tantos factores.
Entrego-me em teus braços nos locais ausentes,
Que de tão presentes me sentirem viver,
Me largam sobre o manto da noite,
Que encobre e descobre o sentido a levar,
Pelos passos que dou, pelo padecer do olhar.

Sem comentários: