quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

FLUTUAÇÃO

À tona da água respiro o ar que por cima de mim me observa. Sereno o ambiente lá debaixo. Ouço o meu coração a bater pausadamente, como se tivesse no seu interior um turbilhão que compensasse a gravidade. A ausência de som transporta-nos para um outro nível de serenidade absoluta. Vivemos o tempo a flutuar e deixamos o corpo repousar da vida abrupta.

2 comentários:

Anónimo disse...

Tu achares que o ar te observa,é lindo!!!

Master Of The Wind disse...

;-)