quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

OUVIR

Sem conseguir ver o que me circundava, caminhei por trilhos sinuosos que se faziam ouvir em ruídos estrondosos. Meus sentidos ficaram alerta, pois sentia que problemas me podiam encontrar pela certa. As paredes eram rochosas e de toque frio. Não sentia nada ao meu redor, nem o mais pequeno desafio. Sentei-me um pouco. No escuro que meus olhos alcançavam, mas sempre na presença das imagens que meus ouvidos sentiam. Recordei a música que ecoava em minha mente, que por esses momentos ausente, acabou por encontrar um caminho. Levantei-me então depressa antes que a música terminasse. Pois não fossem as portas se fechar sem que pudesse acreditar que este trilho também tem um fim.

1 comentário:

Isa disse...

As portas para ti, nunca se vão fechar!
Beijo grande para ti, meu querido!
Isa