quinta-feira, 5 de março de 2009

PEQUENOS NADAS

Será sempre difícil de achar tudo aquilo que não perdemos,
Como será curioso encontrar algo nosso que não concebemos.
Pensamentos desafogados quebrados em mil bocados,
Pedaços de sentimento desfraldados ao vento,
Como bandeira hasteada em pequenos pedaços de nada.
Vivências fingidas em almas apetecidas sedentas de vida,
Por vezes mais frustradas que conseguidas,
Ausentes de seus pensamentos mas realizadas em momentos.
Máquinas exactas como relógios perfeitos,
Que de pequenos sorrisos trazem a si o melhor dos nossos feitos.

Sem comentários: