segunda-feira, 13 de abril de 2009

FEITIÇO

Histórias imensas circulam pelas ruas perdidas,
Por muito apetecidas por quem constrói a noite sobre o dia.
Percorrem-se sem destino nem rumo como fio sem prumo,
Feitiço leve e vazio de quem, por pensamento, mil vezes atravessa o rio.
Sente-se a batalha da razão pelo segredo que esconde a ilusão,
Interna, imensa de repetida presença num mundo de tentação.
Deixa-se colorir com as mais variadas cores, tantas quantos os amores,
De quem pinta sem saber quantas cores a vida deve ter.

3 comentários:

Duma disse...

Querido Hugo,
Não é necessário que todos os comentários sejam originais.. basta sentir que estás ali a apoiar o meu trabalho e o meu percurso.. isso é o mais importante! É sempre bom ter algum feedback!
Um beijinho,
Duma

Duma disse...

Ahhh!.. e é verdade.. eu realmente pinto e não sei quantas cores a vida deve ter!!... ando sempre à procura de novas tonalidades.. e esse percurso é que é o interessante..

Master Of The Wind disse...

Gosto de me meter contigo. És mt querida e sim, uma pessoa sem dúvida mt original.

Beijo para ti tb.