terça-feira, 28 de abril de 2009

SONO

Inspiro ar fresco nesta estreita brecha que se abre no tempo que passa... asfixiam a minha memória com informação desnecessária, como se não existisse mais nenhum canal de informação que não eu. Audíveis são os meus bocejares aos incansáveis minutos que em mim se encurtam. Meus olhos pesam chumbo... e eu, quase como o meu afilhado, enfio os meus dedos lá dentro para não se fecharem.

2 comentários:

Isa disse...

Meu amigo, eu não sei como consigo rodear-te de momentos que dêm a paz que precisas para te livrares de todas as tuas angustias.
Por mim, pegava em ti e protegia-te por baixo do meu braço.
Descansa.
Isa

Anónimo disse...

De facto o sonho é um grande inimigo, mas é sinal que continuamos vivos e activos... quem nada faz não tem sono, tem a cabeça vazia e a alma escura.
É no mundo dos sonhos que realizamos todos os nossos desejos e desfazemos antigas angústias.
Viva ao sono... Confesso que adoro dormir...

Beijos, cuida-te
Denise