quarta-feira, 17 de junho de 2009

SEM TOM

Monocórdico uivar que por entre a noite ecoa,
Monocromático olhar que cego não vê à toa,
Sincronismos sórdidos que por entre o negro perdoa,
As palavras ocas que sem sentido se soltam.

sábado, 6 de junho de 2009

PORQUE NÃO?

É exaustivo o processo que por entre os dedos se arrasta,
É remissiva a vitória que por fora de nós se desgasta,
São agressivas as palavras com que esgrimas e contrastas,
Na memória que não reza a história só por si nefasta.