terça-feira, 11 de agosto de 2009

SÍTIO SEM LUGAR

Sem saber esquecer não se preocupou em procurar,
Tudo aquilo que se fez ver num sítio sem lugar.
Por entre desalinhados caminhos escuros,
Em vívidas viagens sem destinos,
Procura-se o que nunca soubemos que existe,
Em quente abraço vespertino.

3 comentários:

Ana Isabel disse...

Cada dia que te vou conhecendo melhor, Gosto mais de ti.

Ana Cláudia Vieira disse...

"Procura-se o que nunca soubemos que existe"

Às vezes essa parece ser mesmo a sina de todos os homens...

Consegues brincar lindamente com as palavras...Abraços

Master Of The Wind disse...

Oi Ana,

Obrigada pelas tuas palavras.

Bj