quarta-feira, 2 de setembro de 2009

FORA DE CENA

Inquestionável sede de conquista que se impõe em horizonte ausente,
Que distorce a voz e disturba um passado presente.
Que nos entope de insensatez em exacerbados toques de malvadez,
Por imagens nem sempre nítidas às mãos de quem as fez.
Ausentes de cores e de tons densos que se perdem em curioso olhar,
Entre cenários perdidos daqueles que nunca os quiseram encontrar.

1 comentário:

Ana Cláudia Vieira disse...

Já havia lido isso umas três vezes...Nunca fez tanto sentido quanto hoje.

Abraços,

Ana