quarta-feira, 14 de outubro de 2009

CONVERSAS PERDIDAS

Nem sempre se consegue esquecer,
Conversas perdidas que não vimos nascer.
Renascem de cinzas de outras vidas queimadas,
Quebram vontades outrora sequestradas.
Enaltecem murmúrios que nos entram no ouvido,
Sussurram no tempo o silêncio perdido.

São milhares as que se fazem ouvir,
Outras tantas que no tempo deixaram de existir.
Reduziram-se à insignificância de uma vida contada,
Em história turva pelo silêncio quebrada.
Redimiram-se, sem saber, num papel principal,
Outrora esquecidas por um mundo desigual.