segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

PEÇA SURDA

Nem sempre o ilusório alimenta a história,
Molda a personagem em noite inglória,
Enche o palco e alimenta o público,
Entre aplausos mudos e apupos surdos.
Cai o pano em silêncios desertos,
Esconde a vergonha de olhares indiscretos,
Num debruçar de corpo em sentimento frio,
Em bastidor despido, sem cor e vazio.


2 comentários:

Susana Miguel disse...

esta fotografia parece mostrar-nos o espaço enorme que é o silêncio. assim vazia com tanta luz e diz-nos tanto. gostei muito desta peça surda e das palavras que guarda dentro.

abraço.

nina martins disse...

bom!!!